Ouro e Sol


Clareiras e jardins no bosque ameno
Veredas e relvados mostram sono;
Florestas e pomares amarelecem
No ouro quente e puro do Outono.

Nos vales, nas colinas, pelo ar,
As folhas voam, caem pelo chão;
E as cores mais lindas, ei-las ao alcance
Do teu olhar, até da tua mão.

Não é morte, ruína ou decadência;
Nada morre, tudo se transforma.
As folhas caem, sim, mas amanhã
Vê-las-emos abrir da mesma forma.

A vida continua, mesmo frágil,
Nas raízes ocultas, à espera;
E acordará na força juvenil
de linda e fulgurante Primavera.

(The glory beyond - Editorial Franciscana)

Nenhum comentário

Postar um comentário