Acerto de contas

Quando assisti o filme "Matrix" há alguns anos, ouvi o que acreditei ser a melhor definição sobre destino:
Morpheus: - Você acredita em destino Neo?
Neo: - Não. Não gosto da ideia de não poder controlar a minha vida.
Essa resposta ficou martelando na minha cabeça por dias e comecei a reparar que quando acontecem coisas boas, as pessoas dizem "é o destino" tirando o próprio mérito e para as situações ruins culpam o mesmo "destino"fugindo da responsabilidade de assumir seus erros.
Eu não sei até que ponto destino existe ou não, mas as vezes tenho a impressão que a vida dá um jeito de mostrar quem é que manda. Prefiro acreditar que sou eu.
Assuntos inacabados, mal entendidos e antigas desavenças ficam as voltas esperando para serem resolvidos e uma hora isso vai acontecer, você querendo ou não. Sinceramente não acreditava nas histórias de perdão onde feridas antes dolorosas deixassem de existir porque alguém decidiu fazer isso da noite para o dia, histórias que doíam tanto somente pela lembrança e do nada estava tudo bem.
Perdoar não é esquecer, é conseguir conviver com as lembranças sem que elas possam te magoar. Alguns tem mais facilidade em perdoar, outros não conseguem de jeito algum, a verdade é que a vida, o destino ou matrix vai rondar você, até que acerte as contas com o que passou e siga em frente, sem bagagens desnessárias.

(Maria Aline)


Nenhum comentário

Postar um comentário