Os novos hippies

Eles fazem yoga, buscam comidas naturais e orgânicas, fazem a cabeça com meditação, música e não buscam alterar a consciência através de drogas psicodélicas como a geração hippie de 70. Esses são os novos hippies identificados por Steve Schapiro no seu livro Bliss: Transformational Festivals the Neo Hippie.
Schapiro, 80, viajou pelo EUA com seu filho Teófilo Donoghue, 32, por eventos como Rainbow Gathering, Electric Forest, and Burning Man entre 2012 e 2014 e descobriu uma subcultura nesses grupos mais interessados ​​em meditação e uma vida saudável do que em fixações psicodélicas de seus antecessores. “É uma atitude totalmente nova. Há muito menos de um estresse sobre drogas psicodélicas. O que vimos foi que as pessoas buscam entrar em um estado de felicidade verdadeira através da meditação e dança”. disse Schapiro.
No Brasil, vemos também uma nova geração de hippies que buscam acessar estados elevados de consciênciaatravés do contato com a natureza, aprofundamento em meditação, aproximação com culturas milenares focadas na disciplina e eliminação do ego como hinduísmo e budismo, engajamento em causas sociais, preservação da natureza, utilização de energias alternativas, veganismo entre diversas outras novas tendências desses novos hippies que só visualmente se parecem com os hippies de 70, mas a consciência é outra.
Drogas psicodélicas estão sendo consideradas por essa nova geração como um empecilho a própria liberdade.
A consequência do uso de qualquer substância que altere estados de consciência leva a dependência física e psicológica a médio/longo prazo, entrando em contradição direta com uma cultura que preza pela liberdade. Como ser livre, se sou dependente?
Ecovilas

Muitos desses novos hippies se reúnem em ecovilas para viverem de maneira sustentável, em comunidade e sempre há uma vertente espiritual que os mantém ligados e dita a ética dentro dessas comunidades.
Nessas ecovilas se praticam técnicas avançadas de permacultura, cultivos orgânicos, atividades em grupo, construção das próprias casas com materiais recicláveis, manutenção das áreas comuns, escolas com metologia focada na criatividade das crianças e jovens, reutilização de águas da chuva e práticas espirituais como yoga, meditação, tai chi são comuns nesses grupos.

Quem são esses novos hippies ?

Se engana quem imagina que esses novos hippies estão girando por aí sem um destino. Na realidade essa nova geração de novos hippies tem um foco bem definido, eles estão questionando o status quo de viver na cidade, trabalhar para consumir e consumir para trabalhar, se prender a uma prestação de um pequeno apartamento por 30 anos numa grande cidade, ter um custo altíssimo de vida para manter carro, prestações, escola dos filhos e estarem infelizes mesmo com todo seus esforços para serem felizes.
Estão questionando se vale a pena ficar preso a um emprego que não gostam pelo dinheiro no fim do mês. Esses novos hippies são pessoas estudadas, que muitas vezes atingiram estágios altos na sociedade de consumo e simplesmente se encontram infelizes, com uma falta de sentido profundo na vida.
Muitos resolvem dar um basta a essa corrida maluca e se reposicionam perante a vida.
Refazem planos, refazem expectativas, se aproximam de grupos conscienciais, começam a praticar meditação, yoga e outras práticas holísticas, reposicionam seus padrões de consumo, buscam a simplicidade voluntária e um sentido profundo para a vida.
Muitos largam tudo, juntam a família, vendem coisas e refazem suas vidas em alguma cidadezinha do interior com menos necessidades e mais sentido.
Esses são os novos hippies, pessoas comuns que se cansaram da corrida de ratos e perceberam a farsa de um sistema criado para gerar cada vez mais necessidades e nos fazer acreditar que se atingirmos o Estágio X estaremos felizes e plenos.

Nenhum comentário

Postar um comentário